a galëre;


amanda



eloise



simone



fer



letícia



joyde




galëre desco~lads;

machoseunucos
racefortop5
cersibon
lulalol
semcriatividade.com/tchago
art-school
tem-que-ser
fernanda parisi

manualdocafajeste
tudopalhaço
vidabesta


ja´ paçol;

Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010










eXTReMe Tracker

 

domingo, 6 de julho de 2008

"deixa o moço bater, que eu cansei da nossa fuga."

reza a lenda que essa reportagem, do jornal 'o dia', foi o que originou a música "conversa de botas batidas", dos los hermanos. não sei se é verdade, gente, mas faz sentido. então, ficadica pra ler e depois ouvir a música e depois chorar litros.

edit: só pra dizer que, de fato, o moço do hotel batia na porta e oi que eles não a abriram =~

"O desabamento do prédio 55 da Rua do Rosário, no Centro, na quarta-feira, revelou um romance proibido e levou a tragédia para duas famílias. Eles não eram casados, mas ficaram juntos até que a morte os separou. Únicas vítimas da tragédia, o professor Rui Diniz, 71 anos, e Maria das Graças Mendes Rocha, 48, funcionária da Caixa Econômica Federal, mantinham namoro secreto. Seus corpos, nus e deitados sobre restos de cama do Hotel Linda do Rosário, foram retirados dos escombros na madrugada de ontem, após mais de cinco horas de trabalho dos bombeiros e da Defesa Civil. Maria das Graças era casada com o aposentado Pedro Rocha há mais de 20 anos. Rui vivia com sua mulher, Léia Diniz, há 34. Em meio à dor, a ameaça do constrangimento: por pouco, as duas famílias não se encontraram no saguão do Instituto Médico-Legal, onde foram reconhecer os corpos de seus parentes. Ronaldo Teixeira da Silva, 44 anos, que se apresentou como filho de Rui, não quis confirmar que o professor e Maria das Graças estavam juntos na hora do desabamento. 'Ninguém sabe se isso é verdade. Não vou falar nada antes que tudo o que estão dizendo seja provado', afirmou. Segundo o IML, Rui tinha problemas de coração e havia passado por cirurgia há oito meses. A distância que separava os dois – o professor morava no Méier, e Maria das Graças, no bairro Porto Novo, em São Gonçalo – continuou até na despedida, no mesmo horário. Às 16h, Rui Diniz foi enterrado no cemitério São João Batista, em Botafogo, e Maria das Graças, no cemitério de São Gonçalo. A viúva de Diniz, Léia, precisou ser amparada por parentes, que disseram que a família não tinha qualquer conhecimento sobre o namoro."


- postado por eloise - às 20:11.
( 7 Comentários )